Condomínio Simples

10 dicas de segurança para condomínios

segurança para condomínios
27/01/2017   publicado por: Grupo Condac

Segurança é uma preocupação de todas as pessoas. Ainda mais quando se trata do lar, da moradia da família. Obviamente, não é apenas na casa que as pessoas buscam se sentir seguras, mas a todo o momento – no trabalho, na rua, no trânsito, etc. Mas o lar se espera que seja um refúgio, um santuário em que podemos relaxar e cuidar da nossa família sem riscos e ameaças.

E quando se trata de segurança para condomínios – espaço compartilhado por pessoas muito diversas – muitas vezes há desafios e conflitos para que cada condômino faça a sua parte e para que as lideranças – como síndicos e administradores – devem assegurar com boas práticas para que a edificação em toda a sua integridade seja segura.

Boas práticas de segurança no condomínio

A segurança implica não apenas a prevenção de ameaças externas (como roubos, assaltos, etc.) como interna (quanto às ameaças físicas e humanas que possam existir em suas dependências). A contribuição e participação de todos os moradores é muito importante quando a questão é preservar a segurança, uma vez que esta é interesse de todos.

Vejamos algumas boas práticas simples e assertivas que garantem um condomínio ainda mais seguro:

 1) Contratar funcionários capacitados:

É importante contratar funcionários especializados em preservar a segurança e o coordenar o fluxo de pessoas, sempre observando as entradas e saídas da edificação e barrando estranhos antes que estes adentrem nas dependências no prédio. O sigilo e a discrição também são competências ligadas à segurança.

2) Instalar equipamentos de segurança:

Os equipamentos de segurança estão cada vez mais diversificados, seguros e tecnológicos. Pode-se optar pelo porteiro não ter mais que se expor ao público, bastando para isso usar um sistema de câmeras e portas e portões com fechamento eletrônico. Até mesmo a biometria tem sido usada para dar acesso aos condôminos. Equipamentos de segurança são um investimento bastante válido para qualquer condomínio.

3) Controlar a entrada e a saída de pessoas e veículos:

São os acessos que mais causam problemas nos condomínios. É preciso ter o controle do fluxo de quem entre a sai, sendo permitida a entrada apenas de moradores, funcionários, responsáveis, equipe técnica (com acompanhamento) e visitantes (com acompanhamento). Os entregadores, carteiros, vendedores ambulantes e outros elementos da comunidade não podem entrar.

O cadastro de visitantes (com crachá de identificação) também é uma medida de segurança – e quando houver festas nas dependências do condomínio é preciso criar listas de convidados. Os cartões de identificação para o acesso de veículos à garagem ou selos adesivos para fixação no para-brisas ajudam a fazer o controle de veículos.

4) Cadastrar os moradores e prestadores de serviço:

Todos os moradores devem ser cadastrados pelo síndico, assim como os prestadores regulares de serviços. As demais pessoas podem ter cadastros prévios quando autorizada a sua entrada.

5) Evitar rotatividade dos funcionários:

É importante conhecer bem os membros da equipe de funcionários do prédio. Além do cadastro completo, é preciso checar as credenciais e experiências anteriores. Quanto maior a rotatividade de funcionários, maiores os riscos à segurança e com a negligência quanto aos serviços.

6) Promover a participação dos moradores:

As assembleias e reuniões são momentos importantes para dialogar sobre o que é preciso para promover a segurança e a conscientização entre os condôminos. É ainda a ocasião certa para aprovar medidas de segurança e aquisições de equipamentos.

7) Eliminar o aluguel de vagas na garagem para terceiros:

Esta é uma prática muito comum no Brasil, mas que coloca a segurança do condomínio em risco, pois nem sempre dá para controlar quem tem acesso à vaga. É uma prática que deve ser revista e eliminada.

8) Contratação de empresas de segurança:

As empresas especializadas em segurança podem não apenas fornecer mão de obra especializada, mas fazer um diagnóstico sobre as condições de segurança da edificação, observando ameaças e necessidade de melhorias.

9) Manutenção preventiva e vistorias:

A segurança envolve ainda a manutenção adequada e legalizada da edificação, evitando assim acidentes e despesas adicionais. É importante que o síndico crie um programa contínuo de vistoria e manutenção.

10) Mensuração de resultados:

É importante ainda conferir como as práticas de segurança têm refletido de fato a um espaço mais seguro. A mensuração dos resultados pode evidenciar a necessidade de melhorias. Isso pode ser um tema para a pauta da assembleia.

Gostou do artigo? Quais outras medidas podem tornar o condomínio mais seguro? Deixe um comentário!

Tags:
Icone House

Nós conhecemos a vida em condomínio

Temos soluções ideais para o seu condomínio